Monday, June 27, 2016

India - Videos - Funeral por camarada Gundeti Shankar, martir de la guerrilla naxalita (abril 2016)




El camarada Gundeti Shankar, cuadro naxalita, fue asesinado en abril pasado por las fuerzas policiales indias en un falso encuentro y en realidad ejecución sumaria.
El pueblo pobre y la guerrilla naxalita llora su muerte y lo rinde homenaje.
En los videos se puede ver el apoyo que recibe la guerrilla naxalita entre el pueblo pobre.

Sunday, June 26, 2016

Brasil - Olimpiadas de sangre

2500 asesinatos para preparar las Olimpiadas


Foto. Policía brasileño rocía de spray irritante a un cámara.


Brasil

La policía de Río de Janeiro prepara las Olimpiadas con 2.500 asesinatos 

La policía de Río de Janeiro ha asesinado a 2.500 personas después de que el Comité Olímpico Internacional asignara en 2009 la organización de los Juegos Olímpicos a la ciudad brasileña, según ha denunciado Amnistía Internacional en un informe.

Faltan poco más de dos meses para que se celebren las Olimpiadas y Amnistía Internacional muestra su preocupación por “el riesgo potencial” de que la policía repita las matanzas cometidas durante el Mundial de Fútbol de 2014.

La policía brasileña ha puesto en marcha “las mismas políticas de seguridad mal concebidas que provocaron un gran aumento de los homicidios y las violaciones de derechos humanos a manos de las fuerzas de seguridad” por el Mundial de Fútbol.

Cuando en 2009 se adjudicaron los Juegos Olímpicos de 2016 a Río, las autoridades prometieron mejorar la seguridad para todos. En su lugar, hemos visto desde entonces que la policía ha matado a 2.500 personas en la ciudad sin apenas rendición de cuentas”, afirma Amnistía Internacional.

Un portavoz de Amnistía Internacional indicó que “parece que Brasil ha aprendido muy poco de los grandes errores que cometió durante años en materia de seguridad pública”, ya que “la política de ‘disparar primero y preguntar después’ ha convertido a Río de Janeiro en una de las ciudades más letales del planeta”.

Amnistía Internacional subraya que decenas de personas resultaron heridas y cientos fueron detenidas arbitrariamente durante la represión policial de las protestas que hubo en Brasil antes y durante el Mundial de 2014, año en el que las operaciones de las fuerzas de seguridad para “asegurar” las ciudades donde iban a celebrarse los partidos de fútbol dejaron al menos 580 muertos en el Estado de Río de Janeiro.

Los homicidios por operaciones policiales aumentaron un 40 por ciento en 2014 en el Estado de Río de Janeiro y un 11 por ciento más en 2015, con 645 personas fallecidas a manos de la policía. Además, más de 100 personas han sido víctimas de homicidio este año en la ciudad de Río de Janeiro, la gran mayoría jóvenes de raza negra que vivían en favelas u otras zonas marginadas.

Brasil ha anunciado recientemente el despliegue de alrededor de 65.000 policías y 20.000 soldados para vigilar los Juegos Olímpicos, en la que podría ser la mayor operación de seguridad de la historia de Brasil. Esto incluirá el despliegue de personal militar para encabezar operaciones en las favelas, algo que “en ocasiones anteriores ha causado toda una serie de violaciones de derechos humanos que aún no se han investigado y sancionado debidamente”, asegura Amnistía Internacional.
 
Fuente: http://amnistiapresos.blogspot.com.es/2016/06/2500-asesinatos-para-preparar-las.html

for debate - México: Comunicado del Ejército Revolucionario del Pueblo Insurgente (ERPI) sobre la represión de los maestros en Oaxaca




Comunicado del ERPI
 
COMUNICADO NUM. 43
 
EJERCITO REVOLUCINARIO DEL PUEBLO INSURGENTE
AL MOVIMIENTO MAGISTERIAL POPULAR DE OAXACA.
A LA CNTE Y A LOS ESTUDIANTES
AL PUEBLO DE OAXACA
A LOS DEFENSORES DE DERECHOS HUMANOS
AL PUEBLO DE MEXICO
A LOS PUEBLOS SOLIDARIOS DEL MUNDO
 
“La letra con sangre entra”; es la consigna del gobierno priista que encabeza Enrique Peña Nieto, la derecha y sus cómplices “izquierdistas” como Miguel Ángel Mancera que ha decretado de facto, el estado de sitio en la Ciudad de México, sumándose al nefasto fin para aplastar a los maestros organizados en la CNTE.
 
El pasado 19 de junio del presente año, fueron brutalmente reprimidos en Asunción Nochixtlan y otras partes de Oaxaca, los maestros aglutinados en la CNTE, y ciudadanos que se fueron sumando a sus justas demandas; con un saldo de seis personas asesinadas, veintidós desaparecidos y medio centenar de heridos de balas; con este artero crimen se consuma la amenaza que ya en días pasados el gobierno ha venido anunciando.
 
A pesar de toda la guerra mediática que el gobierno y la prensa reaccionaria (televisa y tv azteca) han emprendido, en contra de los maestros de la CNTE; su movimiento ha ido creciendo y apoyado por otros sectores de la población, principalmente en los estado de Oaxaca, Chiapas, Guerrero y Michoacán.
 
Ante este crecimiento, el gobierno fascista mexicano, ha declarado la guerra abierta y frontalmente al magisterio disidente, pero hoy ya no solo es mediática, sino de fusiles y de balas de verdad, que asesinaron a un pueblo inerme. Para este gobierno autoritario, no importa el medio sino el fin; no importa la sangre derramada, los heridos, los muertos, los desaparecidos, los encarcelados (convertidos en rehenes del estado fascista) y los perseguidos, todos ellos no importan, lo importante es callar la rebeldía del pueblo que lucha por sus mas elementales derechos, lo que importa es poner de rodillas a todo aquel que lucha y se levanta para alzar su voz.
 
Al gobierno le urge doblegar, someter y poner de rodillas a la CNTE, porque se ha convertido en la voz rebelde del pueblo mexicano; se ha convertido en el foco de resistencia a las políticas neoliberales, de un gobierno lacayo, que solo sigue a las recetas de su amo el FMI; y en este momento el estado de Oaxaca es el epicentro del movimiento magisterial y popular, le apuesta al sometimiento de la CNTE en este estado y a nivel nacional. Y ahora ¿Quién sigue?, ¿Chiapas, Guerrero, Michoacán, D.F?
 
Ante la situación descrita, nos dirigimos al magisterio, a todo el pueblo de Oaxaca y de la República Mexicana, a: unificar todos los esfuerzos de lucha contra la reforma educativa neoliberal, punta de lanza de la guerra del gobierno contra el pueblo. A todas las luchas populares, gremiales, autónomas y todas las formas de organización y lucha del pueblo mexicano a solidarizarse con la lucha magisterial y popular de Oaxaca, bastión mas combativa de la CNTE. Llamamos a todas las organizaciones defensoras de derechos humanos a denunciar las atrocidades del estado mexicano. A las organizaciones político-militares e insurgentes a brindar solidaridad (principio revolucionario) con la lucha del pueblo de Oaxaca. A nuestros militantes y combatientes, estar en alerta general y disposición de combate, para actuar bajo todas las formas posibles y el uso de todos los medios a su alcance, ejercer la autodefensa contra las fuerzas represivas del mal gobierno.
 
Mexicanos compatriotas:
 
Hoy la guerra contra el pueblo se ha agudizado y estos últimos días está en una ofensiva policiaco-militar; compañeros del movimiento magisterial-popular de Oaxaca, les pedimos que resistan, no están solos, su lucha es la lucha de todo el pueblo mexicano; si las fuerzas de este gobierno mafioso doblega su resistencia, los planes neoliberales se impondrán, entonces nuestros hijos y nietos no tendrán futuro, solo serán esclavos del capital, de las empresas transnacionales y del imperio.
 
¡ADELANTE COMPAÑEROS! ¡A DERROTAR LA POLITICA NEOLIBERAL DEL ESTADO MAFIOSO!

 ¡¡CON EL PODER POPULAR, EL PUEBLO UNIDO VENCERA!!
 
FRATERNALMENTE
 
POR LA DIRECCION NACIONAL DEL EJERCITO REVOLUCIONARIO DEL PUEBLO INSURGENTE
 
COMANDANTE INSURGENTE SANTIAGO
COMANDANTE INSURGENTE HERMENEGILDO
COMANDANTE INSURGENTE CUAUHTEMOC
 
MEXICO, D.F. JUNIO 21 DEL 2016.
  

France- NON A LA CRIMINALISATION DES MILITANTS ET DES LUTTES !

ÉCLARATION A L’OPINION NATIONALE ET INTERNATIONALE
Nous venons d’apprendre que Théo EL GHOZZI – un camarade de la CARA (Collectif Antifasciste Révolutionnaire d’Auvergne) de
Clermont-Ferrand – vient de décider d’entamer une grève de la faim pour protester contre le contrôle judiciaire qui lui a été imposé par l’Etat français après son arrestation du 23 juin 2016 et qui lui interdit tout accès au centre ville de Clermont-Ferrand (voir carte ci-dessous signalant le périmètre interdit), ville où il réside, travaille et milite.
Comme il le signale lui-même dans son communiqué, « plus qu'une interdiction de manifester, c'est quasiment une assignation à résidence. Je vis à Clermont-Ferrand, mais je ne peux pas y circuler. Impossible de faire des démarches administratives, de prendre les transports en commun sans faire des détours impossibles (je n'ai pas le permis), de travailler (je suis intérimaire, et je suis souvent de passage dans le centre ville pour me rendre au travail ... De plus, je dois pointer une fois par semaine au commissariat de Clermont-Ferrand, je ne peux donc pas déménager vers une autre ville ! ».
Pour revendiquer son droit à la liberté de circulation, de manifester et plus largement de vivre librement jusqu’au 13 décembre, notre camarade commencera donc mardi prochain après-midi, le 28 juin 2016, sa grève de la faim.
Nous exprimons ici notre entière solidarité avec ce camarade et nous appelons tous ceux qui s’inscrivent dans cette solidarité à signer l’appel suivant pour exiger le retrait de ce contrôle judiciaire inique et la réhabilitation de ce militant dans son droit le plus élémentaire de circuler librement, de vivre, de travailler et de militer dans la ville où il réside.

NON A LA CRIMINALISATION DES MILITANTS ET DES LUTTES !
LIBERTÉ DE CIRCULER et DE MANIFESTER POUR NOTRE CAMARADE !
A BAS LA RÉPRESSION DE L’ETAT RÉACTIONNAIRE FRANÇAIS !
SOUTENONS LE COMBAT DE NOTRE CAMARADE !
OSONS LUTTER ! OSONS VAINCRE !
Paris, le 26 juin 2016
Le CRI Rouge pour la défense des prisonniers politiques révolutionnaires
Signataires : Comité d’action et de soutien aux luttes du peuple Marocain – Comité de défense des luttes du peuple Tunisiens

CELEBRAR OS 50 ANOS DA GRANDE REVOLUÇÃO CULTURAL PROLETÁRIA - Contribuições da Camarada Chiang Ching para a GRCP



wchiang.ching.poster
  
 Nos dias 28 e 29 de maio o MEPR organizou em BH uma séries de estudos sobre a Grande Revolução Cultural Proletária, celebrando os 50 anos deste que foi o mais avançado estágio já atingido pela Revolução Proletária Mundial. Apoiando a atividade, uma companheira da Movimento Feminino Popular expôs o destacado papel da grande revolucionária Chiang Ching, principalmente para a Grande Revolução Cultural Proletária.
Em 1966, liderada pelo presidente Mao TseTung, teve início a Grande Revolução Cultural Proletária, mais elevada luta de duas linhas, travada em todos os planos da sociedade chinesa, tanto no interior do Estado e do Partido Comunista da China (PCCh) quanto no plano internacional contra o revisionismo moderno, encabeçado por Nikita Kruschov, atingindo milhões de pessoas em toda China. Momento histórico onde as massas chinesas mobilizaram-se em incessantes ondas, tomando em suas mãos os assuntos de Estado, os problemas políticos, militares, culturais, relativos à produção e derrubando os falsos revolucionários incrustrados no Partido, no Exército Popular de Libertação e no Estado, estudando, compreendendo e manejando o marxismo-leninismo e sua terceira etapa o Pensamento Mao TseTung (como era chamado o Maoísmo).
Chiang Ching uniu-se ao Partido em 1933 aos 19 anos e tornou-se artista em Xangai. Em 1949, com o triunfo da revolução, radicais transformações ocorreram no seio da sociedade, e em muito avançou a luta pela libertação das mulheres. Incentivadas a tomar parte na construção da nova sociedade muitas se elevaram ao nível da direção revolucionária e Chiang Ching destacou-se como grande liderança.

Reconhecendo o papel ideológico da arte e suas influências sobre toda a cultura, criticava a corrente dominante no cenário artístico, ainda atrelado a velha sociedade e promovendo suas velhas ideias. Ching Ching lutou por uma nova cultura revolucionária, por uma arte que representasse os trabalhadores, que denunciasse a velha ordem de exploração, e não que a cultuasse. Em total consonância com a linha do presidente Mao, sabia que, assim como todo o resto, a arte devia servir ao povo.
Na década de 1960 propôs a “combinação de três em um” como método para a criação de novas obras artísticas, envolvendo quadros diretivos do partido, dramaturgos e as massas na elaboração das novas obras modernas, dando voz e energia a toda uma nova geração de artistas e público. Tal método foi o modelo que inspirou os Comitês Revolucionários Três em Um, como novos órgãos de poder nascidos na Revolução Cultural.

Os revisionistas que se opunham veementemente não só a abordagem artística de temas revolucionários, como à Grande Revolução Cultural Proletária de forma geral, temendo a nova cultura que impulsionaria a construção de uma nova sociedade ao invés de pôr entraves a esta, lutaram avidamente contra o Pensamento Mao TseTung apoiando-se em calúnias contra todos que continuavam a seguir e aplicar a linha revolucionária do Presidente Mao, tratavam de tentar bloquear as inovações propostas por Chiang Ching, rejeitando ou sabotando diversas produções.
Chiang Ching, assim como o Presidente Mao, confiou nas massas convocando-as a tomar parte naquela luta, na qual destacou-se como grande dirigente. Conversou diretamente com artistas, atores, músicos e pintores, animando-os a seguir a linha do Presidente Mao sobre a arte e literatura, encorajou-os a criticar a arte burguesa.

Rapidamente o movimento se espalhou da esfera artística para toda a sociedade, atingindo principalmente a juventude, entre a qual Chiang Ching tinha grande prestigio graças ao apoio que dava às suas iniciativas, como os grandes dazibaos onde a juventude criticava desde reitores de determinada universidade até membros do partido que seguissem a via capitalista. Chiang Ching também apoiou com grande entusiasmo a criação dos primeiros destacamentos dos Guardas Vermelhos.
Após a morte do Presidente Mao e o golpe de Estado da camarilha revisionista de Teng que havia sido impedida de chegar ao poder durante 10 anos graças a Grande Revolução Cultural Proletária, Chiang Ching é perseguida e presa, assim como diversos outros verdadeiros revolucionários, seguidores da linha revolucionária do presidente Mao TseTung. Apesar disto, nunca deixou de denunciar o revisionismo de Teng Siaoping nem de defender que “a rebelião se justifica!”. Inicialmente foi condenada à morte, porém, por medo de levantamentos populares a sentença foi alterada para prisão perpétua.
A camarada Chiang Ching morreu nos cárceres do podre Estado revisionista chinês, mas seu exemplo segue vivo e incandescente, inspirando os revolucionários no mundo inteiro, particularmente às mulheres, a romper com seus grilhõse e levantar a bandeira da revolução!

A Grande Revolução Cultural Proletária armou o proletariado com importante arsenal de ensinamentos teóricos e práticos; de jamais esquecer a luta de classes, sobre como manter-se o poder da ditadura do proletariado, qual o caminho pelo qual o proletariado deve conduzir a revolução socialista até o comunismo, e que a classe operária deve dirigir tudo.

CELEBRAR OS 50 ANOS DA GRANDE REVOLUÇÃO CULTURAL PROLETÁRIA


Brasil - Algumas lições das Jornadas de Junho de 2013

  


Reproduzimos texto do companheiro Igor Mendes publicado na última edição (n° 171) do Jornal A Nova Demcracia




"Nos grandes processos históricos vinte anos equivalem a um dia, ainda que em seguida possam apresentar-se dias que concentram em si vinte anos." - K. Marx
As Jornadas de Junho de 2013 foram consequência de uma muito particular convergência de contradições. Reduzi-las à luta contra o aumento das passagens, ou pelo “direito à cidade”, seria empobrecer seu significado, deturpar o seu alcance. Aqueles acontecimentos, que a muitos surpreenderam, como se se tivessem produzido num passe de mágica, foram o resultado necessário de anos de revoltas localizadas, achaques, autos de resistência, remoções forçadas, inépcia dos “governantes”, corrupção, falência dos serviços públicos, em suma, centenas de milhares e milhões de pequenos descontentamentos e arbitrariedades que conformam a nossa “ordem” cotidiana. A brutal repressão policial, desencadeada contra a juventude mobilizada nas ruas, e a realização da Copa das Confederações, serviram como catalisadores, o fio condutor que conectou todas aquelas lutas, que se desenrolavam até então aparentemente isoladas umas das outras.
http://www.anovademocracia.com.br/171/06a.jpg
Bloco da Frente Independente Popular (FIP) em manifestação no Rio de Janeiro, 7/10/2013
O Brasil da contrapropaganda oficial vs o Brasil real
Vivemos, nos anos anteriores a 2013, uma reedição daquele ufanismo de grande potência visto sob o regime militar. A farta liberação de crédito, o preço elevado das commodities no mercado internacional e a avassaladora ofensiva ideológica dos governos petistas – turbinando como nunca antes na história deste País o caixa dos monopólios de imprensa, principalmente a Rede Globo – bombardeavam a população com a promessa de um novo tempo inaugurado para sempre. Os índices de popularidade de Dilma Rousseff e de vários governadores estavam nas alturas, pesquisas “comprovavam” a emergência de uma numerosa “classe média” e mesmo a elevação da “autoestima” do brasileiro. A Copa do Mundo e as Olimpíadas viriam coroar, perante o mundo, esse inigualável “avanço civilizatório”. Crise mundial? Que nada, no Brasil estávamos “imunes” a isso...
Observar os discursos oficiais de época tão distante, dado tudo que aconteceu de lá pra cá, embora próxima no tempo, não deixa de ser bastante ilustrativo. Henrique Meirelles, então presidente do Banco Central do governo Lula, discursou assim perante o Comitê Olímpico Internacional (COI), defendendo a candidatura Rio 2016:
“Nós temos a 10ª maior economia do mundo e o Banco Mundial prevê que seremos a quinta até 2016. Já somos o quinto maior mercado publicitário do mundo e ainda estamos crescendo. E graças ao descobrimento do maior campo petroleiro do mundo, temos também grande reserva de petróleo. Nossa força econômica traz a certeza que podemos ter os Jogos Olímpicos”1
Trata-se de discurso realmente emblemático, porque transcende a questão dos Jogos. É o “país do futuro”, o Brasil “potência emergente”, esse apresentado por Meirelles. Era contra essa quimera, tornada “verdade” incontestável por força de repetição, que se batiam os revolucionários, embaixo de mil dificuldades, durante a belle époque dos governos de “esquerda” da América Latina, que tinham no PT o seu maior expoente. Essas crenças ufanas, entretanto, como sabemos, tiveram triste fim, mais ou menos como ocorreu com o velho Policarpo Quaresma de Lima Barreto, estatelando-se frente à teimosa realidade. Descobriu-se, afinal, que o gigante tinha pés de barro...
A brutal repressão nacionalizou os protestos
As Jornadas de Junho vieram quebrar aquela narrativa triunfalista, demoli-la pela ação enérgica de centenas de milhares e milhões de pessoas, principalmente da juventude, mais livre das relações de corporativização e peleguismo que vêm reinando no interior do chamado “movimento social organizado”, praticamente todo ele tornado mera correia de transmissão do governo federal à época. Em algumas semanas, em dias até, a ação das massas nas ruas limpou no atacado montões de lixo de reformismo e legalismo acumulados há décadas no movimento popular. Não por acaso, a reação dos governantes foi, num primeiro momento, de verdadeira estupefação diante da revolta que, numa onda, tomou de assalto as ruas do Brasil. Tentou-se, primeiro, desqualificar a juventude combatente. Quem não se lembra das palavras do pedante Arnaldo Jabor, obrigado depois a um mea-culpa, de que aqueles “revoltosos de classe média não valem nem 20 centavos”2? Ou do virulento editorial da Folha de São Paulo, de 13/06/2013, com o sugestivo título “Retomar a Paulista”:
http://www.anovademocracia.com.br/171/06b.jpg
Manifestantes ocupam o teto do Congresso Nacional em Brasília, 17/6/2013
“O direito de manifestação é sagrado, mas não está acima da liberdade de ir e vir – menos ainda quando o primeiro é reclamado por poucos milhares de manifestantes e a segunda é negada a milhões... É hora de pôr um ponto final nisso. Prefeitura e Polícia Militar precisam fazer valer as restrições já existentes para protestos na avenida Paulista, em cujas imediações estão sete grandes hospitais”3 (Grifo meu).
Essa foi a senha para a inaudita repressão perpetrada pela PM paulista naquele dia, gerando intensa comoção nacional. No dia 17 de junho a resposta à selvageria policial veio nas ruas: protestos em centenas de cidades brasileiras, demonstrando que as manifestações se tinham definitivamente nacionalizado. Em Brasília o teto do Congresso Nacional foi invadido pela multidão, e no Rio de Janeiro desenrolou-se a histórica “Batalha da ALERJ”, com as tropas perdendo no confronto com as massas. A tática belicista da reação, como se vê, apenas jogou lenha na fogueira da rebelião popular. A opinião pública estava em massa, naquele momento, ao lado da juventude combatente, como comprovou a enquete manipulada no programa do fascistóide Datena, na qual a imensa maioria de seus telespectadores declarou-se favorável aos protestos “com baderna”4.
Frustrado aquele caminho, os governantes, em simbiose com os monopólios de imprensa, passaram a exaltar de boca os protestos, como se não tivessem nada a ver com eles, buscando dividir os manifestantes entre “ordeiros” e “vândalos” (essa foi a tônica do discurso de Dilma em rede nacional, em 21 de junho). No dia 19 de junho, o aumento das passagens foi revogado em dezenas de cidades brasileiras, inclusive no Rio de Janeiro e em São Paulo, tornando realidade o que antes era apresentado como “ilegal”, “impensável” etc., etc. No dia 20, comprovando mais uma vez não ser “apenas por vinte centavos”, as manifestações chegaram ao seu ponto culminante, e no Rio de Janeiro marcharam um milhão de pessoas na Avenida Presidente Vargas. Aí, a PM voltou a reprimir duramente a multidão, inclusive lançando o odiado Caveirão contra a juventude combatente, desmentindo toda a demagogia anterior e preparando o terreno para o prosseguimento das mobilizações pós-junho.
Um divisor de águas
Rigorosamente falando, não existem “marcos-zero” exatos na história, e há vários antecedentes importantes, ou “sintomas” de Junho, como as rebeliões operárias nas obras do PAC, as greves nos canteiros de obra dos estádios da Copa da FIFA, a ascensão das greves, principalmente do funcionalismo público nos anos de 2011 e 2012. Em 2013, antes de junho, já haviam ocorrido protestos massivos e muito radicalizados contra o aumento das passagens, como em Goiânia, em que os estudantes conseguiram revogar a alta da tarifa. Mas, como é sempre preciso, para efeito didático, datar e nomear as coisas, as Jornadas de Junho representaram, inquestionavelmente, um divisor de águas na vida política do País. A quantidade de massas mobilizadas então revelava um salto de qualidade na situação revolucionária que já vinha se desenvolvendo. E, como todo divisor de águas, representaram uma ruptura. Mas ruptura com o que, exatamente?
http://www.anovademocracia.com.br/171/06c.jpg
Histórica imagem de manifestantes enfrentando o ‘caveirão’ da polícia. Rio, 20/6/2013
Ruptura principalmente com uma cultura política oportunista que apregoava a infinita “acumulação de forças” pacífica e a ação eleitoral não apenas como as mais corretas (o que já seria absurdo), mas mesmo como as únicas táticas legítimas a ser usadas pelos oprimidos, condenando tudo e todos que as rechaçavam. Mostravam, basilarmente, aquelas Jornadas, o esgotamento do gerenciamento petista e do seu reformismo sem reformas, que sacrificou o que chamava de “bandeiras históricas” – como a “reforma agrária” – no altar da governabilidade, passando desde 2003 a gerenciar os negócios da grande burguesia e do latifúndio, lacaios do imperialismo, e o seu velho Estado genocida. Não deixa de ser significativo recordar que muitos dos ilustres intelectuais de “esquerda” que ora clamam sobre um “golpe”, naquela oportunidade defenderam a atuação da polícia e atacaram os manifestantes, justamente porque estes, no seu entendimento, atentavam contra a “democracia”, que então lhes parecia “sólida”5...
Seria completamente errado, entretanto, dizer que as Jornadas de Junho voltaram-se somente contra os governos do PT, como ocorreu nos protestos desatados a partir de março de 2015. Não. Junho foi um movimento espontâneo, multitudinário, que não tinha (nem poderia ter) um programa definido, uma vez que expressava a insatisfação profunda de amplas parcelas de nossa sociedade não com um governo em particular, mas com a própria ordem social no seu conjunto. Embora sem uma bandeira unificada, Junho foi um movimento essencialmente político, expressão de um vasto e profundo descontentamento existente no seio do povo. Essa é a dialética da vida que tantos não querem (ou não podem) entender. O aumento das passagens, se absurdo, ocorria ano após ano, ritualmente, sem nunca ter provocado manifestações com a magnitude das que vimos em 2013, e voltou a ocorrer depois também sem os mesmos efeitos. A crise econômica, com disparada do desemprego e inflação, não atingira àquela altura os alarmantes níveis atuais. Arriscar uma explicação economicista para aquele movimento, portanto, não nos levaria muito longe.
Deve-se também ressaltar que a realização da Copa das Confederações/futura Copa do Mundo, com seus gastos bilionários, bloqueios de vias e leis de exceção, além da visibilidade que dava às manifestações no exterior, foi outro fator central para a eclosão das Jornadas naquele momento. Não por acaso o grito “Não vai ter Copa!” apareceu nas manifestações como uma síntese de toda aquela indignação com as péssimas condições de vida, e principalmente os serviços públicos precários, oferecidos ao nosso povo. Lembro-me de um cartaz que vi à época, e que me pareceu verdadeiramente genial: Não vai ter Copa, o povo resolveu jogar.  
A ação educa, como falava o grande Lenin, e no curso da luta mesma as massas foram se politizando, aprendendo por experiência própria a diferenciar amigos de inimigos, aprendendo a precisar os alvos da sua fúria, como não tardou a acontecer com a “todo-poderosa” Rede Globo, expulsa do meio das manifestações sob o grito de: A verdade é dura, a Rede Globo apoiou a ditadura – e ainda apoia!
Significado e limites das Jornadas de Junho
Depois de Junho de 2013, realmente, o Brasil não tem sido o mesmo. As manifestações entraram na ordem do dia, tornaram-se um fenômeno do cotidiano, e não apenas nos maiores centros urbanos. Cresceu a politização da sociedade em geral, e todas as forças que buscam intervir na realidade veem-se obrigadas a apelar para a mobilização popular. Disso não se depreende, todavia, que a grande energia das massas liberada desde então será necessariamente canalizada para a esquerda. Ora, seria agir como idealistas esperar que as coisas já nascessem prontas. Entre a queda do velho e a ascensão do novo permeia um tempo de lutas, indefinições, avanços e recuos. Como dizia o Presidente Mao, não há que temer as grandes tormentas, pois é através delas que as sociedades humanas têm avançado ao longo dos tempos.
Sem resolver o problema da vanguarda revolucionária, capaz de dirigir num rumo correto os levantamentos populares, seu desfecho não pode deixar de ser ou a mera troca de um governo por outro, ou um banho de sangue, como registra tantas vezes a história; sem solucionar essa questão crucial, nenhum levantamento, por mais heroico e massivo que seja, pode triunfar. Outro problema candente é o da aliança operário-camponesa, afinal, um levantamento insurrecional na cidade, desprovido de retaguarda e apoio ativo por parte das massas do campo – as mais oprimidas de nossa sociedade – será facilmente isolado e esmagado pela reação, como prova a história de todas as revoluções do século XX.
Muitos acreditavam, sobretudo entre as correntes filiadas ao anarquismo, que as ondas de lutas poderiam prolongar-se indefinidamente, mais ou menos impunemente, esquecendo-se que há uma minoria privilegiada que se beneficia diretamente da ordem econômico-social iníqua que temos, e que está disposta a defendê-la a ferro e fogo. Afinal, o aparelho de Estado que as oligarquias que nos dominam secularmente construíram à sua imagem e semelhança, que tem nas forças armadas a sua medula, está aí para resguardar os intocáveis interesses daquelas classes, como comprova a trajetória do nosso País carente de revoluções triunfantes.
As manifestações de rua, assim como as greves, são um fator bastante importante no processo geral de elevação da consciência de classe dos oprimidos, e os revolucionários devem aí atuar com toda energia, sob pena de converterem-se nuns doutrinários inofensivos. Tampouco podem superestimar essas formas de luta, uma vez que, por si só, são incapazes de alterar as bases reais do sistema de dominação contra o qual se chocam. A revolução futura será algo bastante mais complexo, sem dúvida nenhuma.
__________________
Notas

1 -  Link em: http://esporte.uol.com.br/ultimas/2009/10/02/ult58u1761.jhtm
2 -  Ver “Jornal da Globo”, edição de 12/06/2013.
3 - Link em: www1.folha.uol.com.br/opiniao/2013/06/1294185-editorial-retomar-a-paulista.shtml
4 - Ver “Brasil Urgente”, edição de 13/06/2013. Desconcertado com o fracasso da sua manipulação, o apresentador comentou: “Entre bandido e polícia, prefiro a polícia. Entre o povo e polícia, prefiro o povo”.
5 - O discurso mais emblemático nesse sentido foi dado pela filósofa e ideóloga petista Marilena Chauí, que em palestra para oficiais da PM do Rio de Janeiro disse que os black bloc’s agiam com “inspiração fascista”.

Greece - support people's war in India